Skip to content
Pessoa acessando marketplace no celular e no computador.

Quanto custa vender no marketplace: lista de gastos

Em períodos de crise, uma alternativa para enfrentá-la pode ser substituir sua loja física por uma loja virtual ou começar seu próprio negócio. Se você é empreendedor – ou tem esse espírito aventureiro – e viu na internet uma oportunidade para anunciar seus próprios produtos, provavelmente já se perguntou ou pesquisou a respeito dos marketplaces 

Investir nessas plataformas é uma estratégia conhecida para ter mais canais de venda e aumentar o faturamento, mas já se perguntou quanto custa vender no marketplace? Será que, no fim, a conta realmente fecha de modo positivo para o lojista parceiro? 

A pandemia encurtou em alguns anos essa “passagem” para o digital. O consumidor encontrou muita comodidade ao comprar em marketplaces, prezando pela segurança de não enfrentar filas e lugares lotados, prevenindo-se do contágio do Covid-19, pois, em um só lugar, consegue comparar uma enorme variedade de produtos. Além disso, as empresas puderam continuar operando, mesmo com o lockdown. 

Principalmente para quem está começando, um ponto positivo é o fluxo muito maior de pessoas acessando seus produtos, fora a facilidade em lidar om questões técnicas que circulam a criação de um e-commerce. Dessa forma, torna-se possível aumentar suas vendas. 

Por outro lado, temos as famosas taxas, os custos para desenvolver sua operação, e o momento da conciliação de repasses (que não custa por si só, mas, por ser manual, pode ocasionar erros de cálculo e te causar perdas). Neste artigo, vamos abordar sobre os primeiros passos que devem ser tomados nesse mar azul!  

Existe custo inicial para anunciar em marketplaces? 

Notícia boa: não há esse custo para anunciar no marketplace! O que existe, em grandes redes varejistas, é a exigência de alguns documentos antes de autorizar a venda, o que pode gerar alguns custos.

E o investimento operacional? 

Para começar bem, você deverá estar preparado em relação a: 

  • Estoque inicial
  • Custos operacionais e logísticos
  • Recursos humanos (equipe enxuta)  
  • Ferramentas de integração e gestão 
  • Pagamento da taxa de comissão por venda realizada (varia conforme canal e categoria)
Pessoa fazendo conta em calculadora, com relatórios ao redor.
Antes de começar a investir nos marketplaces, é importante calcular seus custos com operação.

Nesse ponto, o gasto dependerá muito do seu segmento de mercado, da sua localização e do momento do seu negócio. Tudo isso impactará não só nos seus custos, como também na sua precificação. 

Quais são as taxas dos marketplaces? 

Funciona assim: a cada venda, existe um percentual cobrado do seller pela negociação fechada (fee) dentro da plataforma. Geralmente, essas taxas costumam variar entre 10% e 20% de acordo com a categoria do produto 

Dessa forma, é muito importante que você as coloque na precificação do seu produto e estude a melhor maneira de repassá-las para os seus clientes. Ainda, pode adotar diferentes estratégias para fazer isso em cada uma das plataformas. Dentro dessa taxa, estão incluídos os custos com: 

  • Marketing – 6% 
  • Sistema Antifraude – 1% 
  • Gateway – taxa administrativa da operação – 3,5% 
  • Antecipação AVP – venda a prazo e recebimento do dinheiro – 8% 
  • SAC – 1% 
  • Charge back – valor não reconhecido pela operadora – 1% 
  • Custo fixo – mão de obra, aluguel, TI e investimento – 2% 

Observação: os números disponibilizados são uma média referente aos dados dos marketplaces em junho de 2021 para cada custo. 

Ok, mas e os custos do e-commerce próprio? 

O e-commerce não vem com tudo “pronto” como os marketplaces. Por isso, o gasto inicial e os custos ao longo da operação são um pouco maiores, em torno de 22%.  

Pessoas analisando dados do e-commerce em tablets.
No que tange ao e-commerce, os gastos iniciais tendem a ser mis elevados.

Muitas pessoas acreditam que lojas virtuais são baratas e que com elas obtém-se lucro fácil. É necessário trabalhar tão duro quanto em uma loja física, e os gastos, embora mais baratos do que uma loja tradicional, também existem. Esses custos envolvem: 

  • Estoque inicial 
  • Plataforma (mensalidade) 
  • Gateway de pagamento 
  • Segurança (antifraude, SSL, blindagem) 
  • Soluções de pagamento 
  • ERP (mensalidade) 
  • Marketing e agências 
  • Custos operacionais e logísticos 
  • Capital de giro (para vendas a prazo) 
  • Recursos humanos (equipe gerencial e técnica, SAC, contador, treinamentos) 
  • Ferramentas de gestão 

Isso não significa que não seja positivo ter o próprio e-commerce para vender seus produtos. A ideia é que, se o seu investimento inicial está curto, talvez seja interessante começar nos marketplaces e depois estruturar seu e-commerce. 

Para quem já tem um e-commerce, observe como está se saindo em questão de preço, de entrega e de atendimento. Esses são os três pontos principais da operação em marketplaces e, se você estiver tirando de letra, pode expandir suas vendas para esses canais. 

Veja também: Software de marketplace | Precificação de produto

Agora que entendemos o custo, como vender no marketplace?

Vender em marketplaces pode ser uma estratégia extremamente eficaz para expandir seu alcance e aumentar as vendas. Aqui está um guia explicativo com base nas melhores dicas:

Escolha o marketplace ideal

Antes de começar, pesquise e escolha o marketplace que melhor se alinha com o seu público-alvo e produtos. Considere a reputação do marketplace, taxas de comissão, políticas de vendas e a presença de concorrentes. Exemplos de marketplaces populares incluem Mercado Livre, Amazon, eBay e Etsy.

Organize sua documentação

Cada marketplace terá requisitos específicos de documentação para cadastro de vendedores. Esteja preparado com documentos como CNPJ, CPF, comprovante de endereço, e informações bancárias. Ter esses documentos organizados agiliza o processo de cadastro e evita atrasos no início das vendas.

Mostre seu estoque da forma correta

Destaque-se no marketplace apresentando seu estoque de maneira atraente. Invista em boas fotos dos produtos, garantindo qualidade e clareza. Utilize descrições detalhadas, destacando os benefícios e características únicas dos itens. Certifique-se de usar palavras-chave relevantes para facilitar a busca pelos compradores.

Organize sua entrega

A logística é fundamental. Escolha um método de entrega confiável e eficiente. Muitos marketplaces oferecem integração com serviços de entrega, facilitando o processo. Informe claramente os prazos de entrega e as políticas de devolução para criar confiança com os clientes.

Mantenha-se atento às oportunidades

Esteja sempre atento às oportunidades oferecidas pelo marketplace. Participe de promoções sazonais, ofertas especiais ou programas de fidelidade que possam impulsionar suas vendas. Acompanhe as tendências do mercado e ajuste seu estoque e estratégias de marketing conforme necessário.

Ao seguir essas dicas, você estará bem posicionado para ter sucesso ao vender em marketplaces. Lembre-se de monitorar regularmente suas métricas de desempenho, responder prontamente às perguntas dos clientes e ajustar suas estratégias conforme o feedback do mercado.

Com dedicação e uma abordagem estratégica, a venda em marketplaces pode se tornar uma fonte significativa de receita para o seu negócio.

Conciliação de repasses: a hora de enxergar o lucro 

Então, você já contratou um marketplace, já fez aquele atendimento impecável, entregou o produto com maestria… e depois? Será que na hora de receber, tudo sairá como o esperado? 

repasse é o processo em que o valor líquido das vendas é depositado no cadastro do lojista. Cada marketplace trabalha com um tipo de comissionamento, e eles repassam os valores em uma data específica, que varia de acordo com a plataforma.   

Mulher em frente ao computador, analisando dados do seu negócio.
É preciso ficar atento aos repasses para garantir que eles estão sendo feitos da melhor maneira.

Diante disso, pode ser desafiador para o lojista calcular as conciliações manualmente, pois deve-se olhar para os pedidos um a um. Além disso, cada marketplace tem suas regras de negócio, o que pode impactar no valor final, fazendo com que o seller não tenha uma visão real dos números da sua empresa. Imagine o quanto é lento o cálculo e arriscado errar na conta! 

Pode sorrir:  a conciliação financeira automática para marketplace já existe, e poupa o tempo do lojista para se dedicar a otimizar a operação e vender mais. Você sabia que o KONCILI é o primeiro software para a conciliação automática dos repasses dos marketplaces? Pois é, saiba mais sobre ele clicando na imagem abaixo! 

Clique para acessar o site do Koncili!

Conclusão

Agora, você está ciente de todos os percentuais envolvidos na venda em marketplaces e explorou os aspectos relacionados aos gastos de investimento operacional, como o estoque. Abordamos também as vantagens significativas da venda em marketplaces, especialmente para aqueles que buscam alcançar um amplo público consumidor e preferem se beneficiar da sólida reputação de marcas consolidadas.

A pergunta crucial “Vale a pena?” recebe uma resposta afirmativa. A venda em marketplaces oferece uma oportunidade valiosa de atingir um volume expressivo de vendas. A chave para o sucesso reside na organização e no planejamento cuidadoso das estratégias de venda, visando conquistar o público que frequenta essas plataformas.

Além disso, destacamos os passos fundamentais de como vender em marketplaces com estratégia e a importância de conciliar os repasses financeiros, garantindo que todos os valores estejam precisos. Essa prática não apenas proporciona uma compreensão clara dos custos associados à venda em marketplaces, mas também assegura um faturamento consistente, livre de prejuízos e surpresas desagradáveis.

Se você apreciou nossas dicas e deseja receber mais insights valiosos, não hesite em se inscrever na newsletter do Koncili. Receba conteúdos diretamente em sua caixa de e-mails, aprimorando a organização e a estratégia do seu negócio no mundo virtual de maneira mais assertiva!

Saiba mais: como anunciar no marketplace

Sobre o autor 

O texto acima que fala, especificamente, sobre quais são as taxas dos marketplaces, os custos de um e-commerce próprio, e a conciliação de repasses foi redigido pelo Lucas de Oliveira Matias Fernandes, bacharel em Direito, técnico de transações imobiliárias e empreendedor. 

Lucas preza por fortes relacionamentos pessoais e profissionais, possui experiências internacionais entre Austrália e Estados Unidos e tem como hobby esportes e cervejas.

Confira também:  O que é categorizar | anunciar no marketplace | benefícios da conciliação de vendas | O que é combo

Contato: lucas.fernades@db1.com.br
Entre em contato com Lucas no LinkedIn!

Back To Top