skip to Main Content
Pessoa Acessando Marketplace No Celular E No Computador.

[Atualizado] Quanto custa vender no marketplace: lista de gastos

Em períodos de crise, uma alternativa para enfrentá-la pode ser substituir sua loja física por uma loja virtual ou começar seu próprio negócio. Se você é empreendedor – ou tem esse espírito aventureiro – e viu na internet uma oportunidade para anunciar seus próprios produtos, provavelmente já se perguntou ou pesquisou a respeito dos marketplaces 

Investir nessas plataformas é uma estratégia conhecida para ter mais canais de venda e aumentar o faturamento, mas já se perguntou quanto custa vender no marketplace? Será que, no fim, a conta realmente fecha de modo positivo para o lojista parceiro? 

A pandemia encurtou em alguns anos essa “passagem” para o digital. O consumidor encontrou muita comodidade ao comprar em marketplaces, prezando pela segurança de não enfrentar filas e lugares lotados, prevenindo-se do contágio do Covid-19, pois, em um só lugar, consegue comparar uma enorme variedade de produtos. Além disso, as empresas puderam continuar operando, mesmo com o lockdown. 

Principalmente para quem está começando, um ponto positivo é o fluxo muito maior de pessoas acessando seus produtos, fora a facilidade em lidar om questões técnicas que circulam a criação de um e-commerce. Dessa forma, torna-se possível aumentar suas vendas. 

Por outro lado, temos as famosas taxas, os custos para desenvolver sua operação, e o momento da conciliação de repasses (que não custa por si só, mas, por ser manual, pode ocasionar erros de cálculo e te causar perdas). Neste artigo, vamos abordar sobre os primeiros passos que devem ser tomados nesse mar azul!  

Existe custo inicial para anunciar em marketplaces? 

Notícia boa: não há esse custo! O que existe, em grandes redes varejistas, é a exigência de alguns documentos antes de autorizar a venda, o que pode gerar alguns custos. 

E o investimento operacional? 

Para começar bem, você deverá estar preparado em relação a: 

  • Estoque inicial 
  • Custos operacionais e logísticos 
  • Recursos humanos (equipe enxuta)  
  • Ferramentas de integração e gestão 
  • Pagamento da taxa de comissão por venda realizada (varia conforme canal e categoria)
Pessoa fazendo conta em calculadora, com relatórios ao redor.
Antes de começar a investir nos marketplaces, é importante calcular seus custos com operação. 

Nesse ponto, o gasto dependerá muito do seu segmento de mercado, da sua localização e do momento do seu negócio. Tudo isso impactará não só nos seus custos, como também na sua precificação. 

Quais são as taxas dos marketplaces? 

Funciona assim: a cada venda, existe um percentual cobrado do seller pela negociação fechada (fee) dentro da plataforma. Geralmente, essas taxas costumam variar entre 10% e 20% de acordo com a categoria do produto 

Dessa forma, é muito importante que você as coloque na precificação do seu produto e estude a melhor maneira de repassá-las para os seus clientes. Ainda, pode adotar diferentes estratégias para fazer isso em cada uma das plataformas. Dentro dessa taxa, estão incluídos os custos com: 

  • Marketing – 6% 
  • Sistema Antifraude – 1% 
  • Gateway – taxa administrativa da operação – 3,5% 
  • Antecipação AVP – venda a prazo e recebimento do dinheiro – 8% 
  • SAC – 1% 
  • Charge back – valor não reconhecido pela operadora – 1% 
  • Custo fixo – mão de obra, aluguel, TI e investimento – 2% 

Observação: os números disponibilizados são uma média referente aos dados dos marketplaces em junho de 2021 para cada custo. 

Ok, mas e os custos do e-commerce próprio? 

O e-commerce não vem com tudo “pronto” como os marketplaces. Por isso, o gasto inicial e os custos ao longo da operação são um pouco maiores, em torno de 22%.  

Pessoas analisando dados do e-commerce em tablets.
No que tange ao e-commerce, os gastos iniciais tendem a ser mis elevados.

Muitas pessoas acreditam que lojas virtuais são baratas e que com elas obtém-se lucro fácil. É necessário trabalhar tão duro quanto em uma loja física, e os gastos, embora mais baratos do que uma loja tradicional, também existem. Esses custos envolvem: 

  • Estoque inicial 
  • Plataforma (mensalidade) 
  • Gateway de pagamento 
  • Segurança (antifraude, SSL, blindagem) 
  • Soluções de pagamento 
  • ERP (mensalidade) 
  • Marketing e agências 
  • Custos operacionais e logísticos 
  • Capital de giro (para vendas a prazo) 
  • Recursos humanos (equipe gerencial e técnica, SAC, contador, treinamentos) 
  • Ferramentas de gestão 

Isso não significa que não seja positivo ter o próprio e-commerce para vender seus produtos. A ideia é que, se o seu investimento inicial está curto, talvez seja interessante começar nos marketplaces e depois estruturar seu e-commerce. 

Para quem já tem um e-commerce, observe como está se saindo em questão de preço, de entrega e de atendimento. Esses são os três pontos principais da operação em marketplaces e, se você estiver tirando de letra, pode expandir suas vendas para esses canais. 

Conciliação de repasses: a hora de enxergar o lucro 

Então, você já contratou um marketplace, já fez aquele atendimento impecável, entregou o produto com maestria… e depois? Será que na hora de receber, tudo sairá como o esperado? 

repasse é o processo em que o valor líquido das vendas é depositado no cadastro do lojista. Cada marketplace trabalha com um tipo de comissionamento, e eles repassam os valores em uma data específica, que varia de acordo com a plataforma.   

Mulher em frente ao computador, analisando dados do seu negócio.
É preciso ficar atento aos repasses para garantir que eles estão sendo feitos da melhor maneira.

Diante disso, pode ser desafiador para o lojista calcular as conciliações manualmente, pois deve-se olhar para os pedidos um a um. Além disso, cada marketplace tem suas regras de negócio, o que pode impactar no valor final, fazendo com que o seller não tenha uma visão real dos números da sua empresa. Imagine o quanto é lento o cálculo e arriscado errar na conta! 

Pode sorrir:  a conciliação financeira automática para marketplace já existe, e poupa o tempo do lojista para se dedicar a otimizar a operação e vender mais. Você sabia que o KONCILI é o primeiro software para a conciliação automática dos repasses dos marketplaces? Pois é, saiba mais sobre ele clicando na imagem abaixo! 

Clique para acessar o site do Koncili!Conclusão 

Aqui, você entendeu todos os percentuais que existem na venda em marketplaces. Comentamos também dos gastos de investimento operacional, como o estoque. 

Se vale a pena? Bom, a venda em marketplaces tem grandes vantagens para quem precisa alcançar o maior número de consumidores possível e prefere se apoiar na boa reputação de uma marca já consolidada.  

Diante dessa possibilidade de volume de vendas, sim, vale – e muito – a pena vender em marketplaces. Basta organizar e planejar muito bem suas vendas para conquistar o público que encontrará seus produtos por lá. 

E, claro, para enxergar todos os benefícios, não se esqueça de conciliar os repasses e garantir que todos os valores estejam corretos. Assim, você entende quanto custa vender no marketplace e garante um bom faturamento, sem prejuízos e sustos. 

Gostou das nossas dicas? Então inscreva-se na newsletter do Koncili e receba mais conteúdos diretamente na sua caixa de e-mails, que farão sua organização e sua estratégia rodarem de forma muito mais assertiva no mundo virtual! 










     

    Número de Pedidos Mensal:

    Sobre o autor 

    O texto acima foi redigido pelo Lucas de Oliveira Matias Fernandes, bacharel em Direito, técnico de transações imobiliárias e empreendedor. 

    Lucas preza por fortes relacionamentos pessoais e profissionais, possui experiências internacionais entre Austrália e Estados Unidos e tem como hobby esportes e cervejas. 

    Contato: lucas.fernades@db1.com.br
    Entre em contato com Lucas no LinkedIn! 

    Back To Top
    Abrir o chat
    Fale com nosso time!